Começamos nossa trilogia em “Roteiro de viagem detalhado por Hvar – Croácia: 1, 2 ou 3 dias“. A segunda parte você lê em “Roteiro de viagem detalhado por Hvar – Croácia: 1, 2 ou 3 dias – Parte 2“. Hoje vamos à parte final: aquela folga extra que te permite fazer além do essencial e tornar o lugar mágico e inesquecível em nossas vidas.

Roteiro para o Dia 3: Perfeito! Posso fazer o imperdível, incluir um descanso e adicionar um pouco de tempero croata ao passeio e tornar Hvar um dos grandes pontos da viagem.

Hvar é a ilha mais ensolarada de toda a Croácia, mas mesmo assim você pode pegar um dos dias com menos sol; nesse caso, vale a pena optar por um dos inúmeros passeios que a ilha oferece. Quando acordamos com o dia nublado, pareceu muito azar… mas nós temos o espírito de que tudo que acontece em uma viagem é uma oportunidade para experimentarmos algo novo! Partindo desse princípio, logo estávamos nós no balcão da concierge perguntando sobre passeios disponíveis.

Tour off road

Optamos pelo Hvar off road promovido pela Secret Hvar. Nosso guia era o Ivor, um simpático, espirituoso e ácido croata de Zagreb. Na hora combinada veio nos buscar no hotel juntamente com um casal de irlandeses em um desses carros com tração nas 4 rodas.

off road tour hvar
Nosso carro para nossa aventura off road por Hvar

O passeio começava já a caminho dos pontos turísticos: o casal que fazia o passeio conosco era bastante interessado e fazia boas perguntas sobre economia e sociedade da Croácia. Nós, curiosos que só, também aproveitávamos para perguntar sobre as semelhanças e diferenças em relação ao que víamos no Brasil. Nosso guia, um crítico da política econômica adotada por seu país, não deixava por menos e nos enchia de informações sobre salário, casos de destaque na imprensa croata e desenvolvimento da sociedade croata.

O melhor era a história de Hvar. A ilha de Hvar foi uma das maiores produtoras mundiais de lavanda (se quiserem saber mais sobre o que comprar na Croácia, leiam Comércio e Economia: curiosidades sobre a Croácia e os croatas). Dizia Ivor que cerca de 10% da lavanda produzida no mundo saía de Hvar (o site do Hotel Amfora diz 8%, portanto ponto para Ivor!).

lavanda hvar
Lavandas em Hvar: nascem em todo lugar! Essas encontramos no meio do caminho para Sveti Nikola

Foram cerca de 20 anos da chamada era de ouro da lavanda (de 500 quilos de óleo de lavanda em 1947 para 20 toneladas nos anos 60). Grandes fortunas foram feitas e muitas famílias migraram da ilha rumo ao continente. A migração e um grande incêndio fizeram com que os campos de lavanda declinassem. Somam-se a isso o crescimento dos campos de oliva e posteriormente o desenvolvimento do turismo.

Ivor ia nos brindando com essas pérolas de história e parando o carro no meio do caminho para pegar um ramo de “mato” que nascia na beira da estrada. Pegava, cheirava e dava para nós, explicando que era um substituto do orégano, sálvia e outras tantas plantas usadas na culinária. Ficávamos maravilhados, especialmente porque devido à formação rochosa da ilha, os gregos implantaram o sistema de terraços para tornar o lugar arável. Quem imaginaria que séculos depois haveria essa riqueza de cores e sabores?

 

 

Forte de Napoleão – Napoleon Fortress – Napuljn (Observatório de Hvar)

Lembram da Spanjola? Ivor nos levou num ponto bem acima dela para mostrar todo o esplendor da cidade de Hvar. De lá tínhamos uma vista de Hvar Town, das ilhas Pakleni e de todo o mar. Mesmo com o tempo nublado era possível ter uma visão do horizonte. O forte foi construído pelo exército francês no século 19 durante as guerras napoleônicas. Hoje é o observatório de Hvar e, pelo que consta no site, não é um ponto turístico a não ser pela vista que se pode ter de lá.

 

 

Malo Grablje 

O passeio também incluía a visita à vila de Malo Grablje, um antigo vilarejo que  hoje está abandonado (as pessoas migraram para Milna) e dá uma boa ideia de como era a vida dos habitante de Hvar. Vimos o sistema de coleta e armazenamento de água e até um moinho para fabricação de azeite (e o negócio ainda funciona!). Ainda de acordo com Ivor, uma vez por ano, descendentes de antigas famílias de Hvar se reúnem em uma missa realizada na antiga igreja de São Teodoro.

 

Aqui há também um restaurante que abre mediante reservas chamado Konoba Stori Komin. Clicando no link você tem a visão pelo google maps e pode explorar o vilarejo abandonado. Nós utilizamos a infraestrutura do restaurante para aprender sobre o método de cozimento tradicional croata: peka!

 

 

Restaurante Vidikovac-Levanda

Neste restaurante, fizemos uma pequena pausa para tomar água e comer algo rápido. Nem lembro se comemos. Lembro de uma vendinha que ficava na porta do restaurante e foi recomendada pelo guia por ser de uma família local que cultivava lavanda e outras plantas para fazer os produtos que vendia. Compramos azeite, óleo de lavanda, orégano e óleo de alecrim. Havia vários outros, e em vários tamanhos.

Num ponto à frente, tínhamos esta belíssima vista da cidade de Stari Grad.

 

 

Velo Grablje

Demos uma rápida passada por Velo Grablje, onde Ivor nos disse que moravam apenas 7 pessoas. Velo Grablje tem como santos protetores São Cosme e São Damião, sua igreja é datada de 1886, e uma celebração é realizada anualmente todo dia 26 de setembro. A vila ainda é frequentada por pessoas que cultivam terras e movimentam algumas associações (cooperativas, associações diversas). De lá rumamos a um dos pontos mais altos da ilha: Sveti Nikola.

 

A caminho do Sveti Nikola, ainda paramos para ver um antigo abrigo construído com pedras. Eram muito parecidas com as cairns que você vê na Escócia (com diferente uso, é claro!). Quem tiver interesse, temos um vídeo com o interior do abrigo neste link.

 

 

Monte São Nicolau – Mount Saint Nicholas – vrha Sveti Nikola

Sveti Nikola é o ponto mais alto da Ilha de Hvar, e o terceiro mais alto da Croácia. A vista de lá é incrível e impressionante. Estude bem quais são os melhores ângulos, pois é lá que você vai tirar aquelas fotos para colocar no porta-retrato. Repare que, no vídeo abaixo, Ivor nos levou para um ponto mais abaixo, onde podíamos ficar bem à beira da montanha e ter uma vista do mar e da cidade. Para aqueles que vão até o pico, há uma cruz e uma pequena capela de São Nicolau.

 

 

Foto da capela retirada deste site.

 

O passeio completo é de 7,5 horas e o custo é de 95 euros. Incluiria também uma parada para nadar. Optamos pelo passeio mais curto, onde exploramos mais a parte seca, com duração de aproximadamente 4 horas e custo de 60 euros por pessoa.

Dizemos que valeu cada centavo e cada minuto. Só nos arrependemos de não ter agendado outros passeios com a empresa e com o Ivor. Mesmo com a descrição que fazemos aqui, recomendamos fortemente a contratação de um guia local. Vi sites dizendo que a vista do Sveti Nikola não valia a pena e, de fato, só vendo as fotos do pico, realmente parecem fotos de nada. Ter alguém que conheça o local e saiba onde te levar pode ser a diferença entre fazer o básico e o extraordinário. Além disso, a ilha depende fortemente do turismo. Contratar serviços locais é uma forma de manter a economia local e conhecer detalhes que só alguém que mora na ilha pode te oferecer.

 

 

Bom, e o que fazer com o período da tarde?

Eu continuaria adicionando cultura croata à viagem e agendaria outro tour! Hvar está muito bem preparada para receber turistas. Aliás, esse passeio que fizemos também estava disponível em formato de caminhada ou ciclismo, mas provavelmente levaria mais tempo.

Veja mais alguns exemplos dos tours que nos foram oferecidos:

Hvar Wine tour: visita a vinícolas da ilha de Hvar, com degustação de vinhos e refeições (dependendo do passeio que você escolhe)

Aula de culinária em Hvar: aula de culinária com 3 pratos e bebidas inclusas

Piquenique gastronômico em Hvar: piquenique num campo de oliveiras

O melhor de Hvar: Este aqui queremos fazer na próxima. É um passeio pela Ilha de Hvar, com entradas nos museus da Lavanda, Museu de Stari Grad e Forte de Vrboska

Big game fishing: para aqueles que não dispensam uma pescaria, essa aqui é em grande estilo. Com direito a barco, licença para pesca, equipamento e alimentação.

Windsurf: curso com instrutor e equipamento. Para aqueles que não conseguem tirar folga da academia nem nas férias.

Passeio em volta das ilhas Pakleni de caiaque: haja braço! Há um passeio semelhante em Dubrovnik ao redor da Ilha de Lokrum (o guia de Dubrovnik nos disse que é comum turistas serem resgatados porque ficam cansados). Então, avalie bem antes de se empolgar com as belezas do local!

Alpinismo: já deu para reparar que Hvar é uma ilha montanhosa, né? Ela oferece bastante entretenimento para quem curte escalada, e há passeios que exploram esse talento da Ilha de Hvar.

Mergulho: acho que esse eu nem precisava dizer, mas fica o registro.

Paraquedismo: disponível apenas na altíssima temporada (julho e agosto). Esse aqui deve ser bem inusitado (e alerto, caro). O programa em si já é emocionante, imaginem feito num lugar paradisíaco como Hvar? Deve ser uma lembrança pra vida toda… Quem quiser levar a lembrança para os amigos e familiares verem precisa desembolsar o custo do cameraman, equipamento de filmagem e fotografia… (eu desembolsaria com gosto, aliás!)

Acredito que são as vivências e experiências que tornam os lugares especiais para nós. Por isso acho o terceiro dia do roteiro tão importante quanto o primeiro, pois foi com esta programação que tornamos Hvar especial e a Croácia um lugar ainda mais espetacular em nossas memórias.

De Hvar, partimos rumo à última etapa de nossa viagem! Tenha um gostinho em: Dubvrovnik: muito além das muralhas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: